sábado, 14 de março de 2015

Corrupção: tão antiga e sempre nova



Para quem afirma que a Bíblia é coisa do passado, recentemente me deparei ao ler o Salmo 53 (52), com o quanto ele é contemporâneo e não pude deixar de compará-lo com a atual situação política brasileira: 
“Todos se extraviaram, são todos corruptos; ninguém mais faz o bem, nem um sequer. Não entendem nada todos os malfeitores, que devoram meu povo como se fosse pão?”
            Como são verdadeiras essas linhas, os políticos do Brasil vêm vilipendiando nossa Nação.  Transformaram-na numa enxurrada de denúncias e mais denúncias, onde o interesse particular sobrepõe-se ao interesse público e coletivo.  Dilma não estava errada ao dizer que a corrupção é muito anterior ao seu governo, todos os brasileiros de bom senso sabem disso, ela já estava presente na esquadra de Cabral. 
            Não creio que Dilma esteja envolvida diretamente na corrupção que houve na Petrobras, mas acredito que ela pecou sim, porém por omissão e conivência. Atacar e colocar a culpa na gestão FHC pelos desmazelos na Petrobras parece piada, é claro que nessa época também isso ocorreu. Agora uma coisa a que nos devemos atentar, é que o PT trouxe para si desde a sua criação em 1980, a bandeira da ética e da moralidade política-partidária, que lutava contra os desmandos existentes. As décadas se passaram e o PT chegou ao poder, com uma estrela que era símbolo de esperança para a Nação, que romperia com os grilhões que acorrentavam o Brasil. Passaram-se 12 anos de poder e vemos que o sonho e a utopia petista deram lugar a jogos espúrios para ver quem tem mais poder e é claro dinheiro. 


            Se o PT fosse aquilo que ele sempre apregoou ao longo das décadas, ao assumir o governo em 2002, Luís Inácio teria auditado as contas da União e feita uma devassa aos tucanos que também dilapidaram o erário público. Teria colocado a corrupção em pratos limpos e encarcerado os culpados. Mas não, parece que ficaram com vergonha dos tucanos terem roubado pouco e foram mais ousados, simplesmente aparelharam o Estado Brasileiro aos deleites e prazeres do Partido dos Trabalhadores, numa espécie de orgia com o PMDB, incluindo aqui o bonde de Sarney, Collor, Renan, Jucá, Barbalho e sem falar nos outros partidos, onde estão Collor e Maluf. dos quais no PP se destaca o magnânimo corrupto Paulo Maluf.
Enquanto o Mensalão petista era investigado, o qual eles chamam de farsa política, o Petrolão já estava em andamento e continuou em curso mesmo quando o próprio Petrolão era investigado.
Investigar é um ato democrático, portanto, deve recair a quem quer que seja, petistas ou tucanos - não entendi o pedido de arquivamento do Procurador da República sobre um possível envolvimento de Aécio no Petrolão – as roupas sujas devem ser lavadas, o que está oculto deve ser esclarecido, não por partidarismos, mas porque o povo merece, afinal de contas, democracia, a palavra já diz: é governo do povo.
O problema não está em abrir investigações, ainda que em partidos alheios, ele consiste em que no final continuamos vivendo no mesmo pão e circo, onde os doutores em corrupção que deveriam ser enjaulados são libertos e proclamados heróis da Pátria.
Continuo apostando naquilo de mais belo que há no homem, a sua consciência, não existe um sequer que não seja corrupto? Leis deixariam de ser necessárias se a consciência do que é moral, do que é certo reinasse, não somente no campo político, mas em todas as relações humanas, afinal somos um povo que dá sempre um jeitinho em prol de si mesmo, desde o atracamento das caravelas em nosso litoral.
Amanhã é dia de irmos para as ruas e isso não tem nada de golpismo, pelo contrário, o golpe é o que estão fazendo com a Nação. Viva o Brasil!


Daniel Alves Rezende
Cidadão brasileiro e licenciado em História



 Daniel Rezende - © 2015 - Todos os direitos reservados